terça-feira, 21 de Abril de 2009

As religioes em Mocambique


Introdução

A população moçambicana estima-se em cerca de 20.5 milhões de habitantes, sendo 9.8 milhões do sexo masculino e 10,7 milhões do feminino. Como se pode notar, há uma ligeira diferença entre os efectivos dos dois sexos, com uma vantagem para a população feminina.
Desta população a maior parte reside nas províncias de Zambezia onde se estima possuir cerca de 19.3% e Nampula com cerca de 19.1%.
A religião em Moçambique se distribui na base da própria Historia desde os séculos XII a XV.
Visto que os Árabes foram primeiros a entrarem em Moçambique estabeleceram a sua religião no norte de Moçambique muito em particular em Nampula concretamente na Ilha de Moçambique onde embarcaram os primeiros árabes.
Enquanto que cristianismo entra em Moçambique no seclo XV a partir dos portugueses os quais embarcaram na província de inhambane.


Muçulmanismo

A religião muçulmana entra em Moçambique a partir do litoral da província de Cabo-delgado e Nampula nos seclos XII e foi descendo para o sul de Moçambique através da costa, as religiões eram expandidas as zonas comerciais onde a população se aglomerava a fim de proceder as suas actividades comercias. Nessa altura o povo moçambicano não professava nenhuma religião se não os mitos.

Cristianismo

A religião crista entra em Moçambique através a partir da costa moçambicana concretamente na província de Inhambane no séclo XV, mas faz-se sentir no período colonial. Na altura a religião Católica foi usa como meio de básico de obcecarem o povo moçambicano assim com nas outras colônias.
Os colonialistas portugueses usavam a religião para melhor controlo do povo indígena nas suas áreas de ocupação; no entanto o catolicismo atingiu a fase de ser de caractere obrigatório a sua professa ate que era lecionado nas escolas, visto que todas as escolas eram propriedades da igreja católica.
Depois da queda do império Romano assim como o regime salazarista surgiu a separação das igrejas de católica para Protestantes.
De acordo com os teólogos é protestada a as atitudes e a conduta da igreja católica romana e funda-se a protestante e evangélica das quais por sua vez possuem muitas denominações, pela sua constante separação.

Estatística da religião em Moçambique


A distribuição percentual da população de 5 anos e mais segundo a religião ou crença professada. A religião católica é a que mais crentes tem (23.8%). A igrja Evangelica/Protestante possui cerca de 16.2% enquanto que as pessoas sem religião estão quase compartilhando o primeiro lugar com 23.1%. É possível que uma parte destas pessoas pratique, de facto, alguma religião não organizada como, por exemplo, crenças animistas. Em terceiro lugar estão os muçulmanos (17.8%) e, quase ao mesmo nível, os que practicam a religião sião/zione (17.5%). A religião católica tem maior expressão tanto nas áreas urbanas como nas rurais. Entretanto, 25.4% das pessoas da área rural declararam-se sem religião o que constitui o maior grupo apresentado, Por fim, a religião sião/zione tem maior representação na área urbana enquanto a percentagem de muçulmanos é similar em ambas áreas.



segunda-feira, 13 de Abril de 2009

Turismo em Mocambique





Dados Básicos


Capital: Maputo

Moeda: Metical

Governo: Frelimo desde 1975
Data da Independência: 25 de Junho de 1975

Chefe do Estado: Armando Emílio Guebuza

Sistema político: Multipartidário (Constituição de 1990 e 2004

Assembleia da República: 250 lugares (3ªs eleições gerais de 2004 )


Localizacao


Moçambique localiza-se na Costa Sudeste do Continente Africano, tendo como limites a Leste o Oceano Índico, a Norte a Tanzânia, o Malawi e a Zâmbia, a Oeste o Zimbabwe e a África do Sul e a Sul este último país e a Swazilândia.
Com uma superfície total de 799 380 Km2, estende-se no sentido Norte - Sul voltado para o Índico com que se confronta ao longo de 2515 Km de linha de costa.
Estreitando de Norte para Sul, atinge a sua largura máxima no Centro Norte, entre a Costa e a confluência dos rios Aruângua e Zambeze e a menor a Sul, de apenas 47,5Km, na zona da Namaacha.
Dispõe-se em anfiteatro a partir da zona litoral que ocupa cerca de 40% do território com uma altitude até aos 200 metros, a que se segue, na região que abrange as áreas de Cabo Delgado, de Nampula e interior de Inhambane, uma zona de planaltos com altitudes entre os 200 a 600 metros, que se prolonga, entre Manica e Sofala, por uma região mais elevada com altitudes que atingem os 1000 metros.
Esta zona é continuada junto à fronteira terrestre por uma região montanhosa onde se encontram os pontos mais altos do País, 2436 metros no maciço de Massururero na escarpa de Manica e Sofala, 2419 metros nos Picos Namuli e 2000 metros na Serra de Gorongosa.
A disposição orográfica associada a um clima tropical origina numerosos rios que correm em paralelo para o Oceano Índico.



Clima



O clima em Moçambique, influenciado pelas monções do Oceano Índico e pela corrente quente do Canal de Moçambique, é de uma maneira geral tropical e húmido, com uma estação seca que, no Centro/Norte, varia de quatro a seis meses enquanto no Sul, com clima tropical seco, se prolonga por seis a nove meses.
As chuvas ocorrem entre Outubro e Abril. Nas montanhas, o clima é tropical de altitude. As temperaturas médias são da ordem dos 20º no Sul, enquanto a Norte esse indicador ronda os 26º. As temperaturas mais elevadas verificam-se na época das chuvas de Outubro a Marco.



Cultura



Moçambique sempre se afirmou como pólo cultural com intervenções marcantes, de nível internacional, no campo da arquitectura, pintura, música, literatura e poesia. Nomes como Malangatana, Chichorro, Mia Couto e José Craveirinha entre outros, já há muito ultrapassaram as fronteiras nacionais.
Importante também e representativo do espírito artístico e criativo do povo moçambicano é o artesanato que se manifesta em várias áreas, destacando-se as esculturas dos Macondes do Norte de Moçambique.



Historia



Os povos primitivos de Moçambique foram os Bosquímanes. Entre os anos 200 a 300 DC, ocorreram as grandes migrações de povos Bantu, oriundos da região dos Grandes Lagos a Norte que empurraram os povos locais para regiões mais pobres a Sul.
Nos finais do séc.VI, surgiram nas zonas costeiras os primeiros entrepostos comerciais patrocinados pelos Suahilárabes que procuravam essencialmente a troca de artigos vários pelo ouro, ferro e cobre vindos do interior.
No séc. XV, inicia-se a penetração portuguesa com a chegada de Pêro Covilhã às costas moçambicanas e o desembarque de Vasco da Gama na Ilha de Moçambique. Desde 1502 até meados do séc. XVIII, os interesses portugueses em Moçambique ficam sob a administração da Índia Portuguesa.
De início, os portugueses criaram “feitorias” com objectivos meramente comerciais, a que se seguiu a fixação no litoral, onde construíram, em 1505, a fortaleza de Sofala e, em 1507, a fortaleza na Ilha de Moçambique. Só alguns anos mais tarde, na tentativa de dominarem as zonas produtoras de ouro, se aventuraram para o interior onde estabeleceram novas feitorias.



Praias



A costa de Moçambique, voltada ao Índico, pela sua extensão, orografia e clima, é rica em todo o tipo de praias e berço de muitas espécies marinhas, algumas das quais em vias de extinção.
No Norte predominam as praias rochosas, enquanto no Centro, junto das embocaduras dos rios, se localizam as praias lodosas confinadas por extensos mangais e no Sul prevalecem as praias arenosas, com dunas altas e cobertas de vegetação rasteira.



Paralelamente à Costa, ilhas isoladas ou agrupadas em pequenos arquipélagos, algumas dispondo de boas estruturas turísticas, proporcionam a observação de variada vegetação e fauna ímpar.



Nelas se podem encontrar monumentos históricos que assinalam a passagem de árabes e europeus, águas transparentes que convidam à natação e ao mergulho, barreiras de coral de uma beleza extraordinária com ecossistemas ricos espécies piscícolas cuja captura é o alvo mais desejado pelos amantes da pesca desportiva.


Entre as muitas praias que se estendem ao longo da costa, salientam-se, por mais conhecidas ou dispondo de melhores estruturas de apoio aos visitantes, as de Pemba, Bazaruto, Bilene, Inhaca, Inhambane Marracuene, Murrangulo, Ponta de Ouro, Ponta de Malongane, Tofo, Xai-Xai, Zongoene, Ilha de Moçambique, Fernão Veloso em Nacala, Chocas em Mossuril, Vilanculos, Inhassoro.





Praia de Vilankulos na provincia de Inhambane no sul de Mocambique






Ilha de mocambique, uma das grandes maravilhas do lindo Mocambique.




Mocambique tem um potencial muito alto no turismo a partir da fauna bravia, floresta, o oceano que banha o pais de norta a sul, etc.






































Localizacao geografica de Mocambique







Localização Geográfica
Moçambique está situado na costa
sudoeste de África, numa posição estratégica dado que funciona como uma porta de entrada para seis países, protegendo os flancos da África do Sul e do Zimbabwe. Possui fronteiras a norte com a Tanzânia, Malawi e Zambia, a oeste com o Zimbabué e a África do Sul e a sul também com este país. .
Costas
As costas de Moçambique são geralmente baixas, com poucos recortes, arenosas e por vezes rochosas e coralíferas, em especial na zona sul. Destacam-se alguns incidentes e ilhas, desde a foz do Rovuma até ponta de Ouro: Cabo Delgado, baías de Pemba e Fernão Veloso, ilhas de Ibo, Moçambique, Angoche e Bazaruto, cabos de S. Sebastião, das Correntes e de Santa Maria, baia de Maputo e ilha de Inhaca.

Solos
A constituição do solo de Moçambique é variável.
Na parte meridional é arenoso, avermelhado ou branco, excepto nos vales dos rios, onde se encontram terras de aluvião.
Na zona central a terra é escura e argilosa, por vezes pantanosa.A região de Tete, interior e bastante quente, tem bom solo e é também rica sob o ponto de vista mineral, já que nela se encontram minas de carvão.
Na região de Nampula, o solo, nos intervalos das formações montanhosas, é leve e escuro, bastante fértil.
Na região mais a Norte e até à fronteira da Tanzânia, aparecem de novo as areias coradas de vermelho pelo óxido de ferro que contém.

Relevo
O relevo de Moçambique, pode ser dividido em quatro regiões principais, conforme as médias de altitude que se apresentam.
A Zona litoral (até 200 m) abrange quase toda a metade da área do país.
A zona montanhosa (1000 a 2500 m) ocupa uns 10%.
As duas restantes zonas correspondem aos planaltos médios (200 a 600 m) e dos altiplanaltos (600 a 1000 m).
As principais cadeias orográficas são: a cadeia dos Libombos, a escarpa de Manica e Sofala, os altiplanos de Marávia-Angonia, a cadeia Chire-Namúli e a cadeia Maniamba-Amaramba. O monte Binga, em Manica e Sofala, tem 2453m de altitude.
De um modo geral, o território Moçambicano dispõe-se em anfiteatro sobre o indíco. As formações montanhosas perdem a sua altitude à medida que se aproximam da costa.

Bacias hidrográficas
A disposição do relevo determina o escoamento das águas. Os cursos de água escasseiam no sul e abundam no norte.
As principais bacias hidrográficas são de norte para sul, as do Rio Rovuma, Lúrio, Ligonha, Zambeze, Púnguè, Save, Limpopo e Incomati.